Colocar papel de parede – as minhas melhores dicas.

Aqui estão as melhores dicas que tenho para vos dar para colocar papel de parede!
Quando a Leroy Merlin, em conjunto com a Henkel (Metylan), nos desafiaram a fazer uma colocação de papel de parede, confesso que não vibrei com a ideia. É certo que existem papeis de parede LIIIINDOS no mercado e que o papel certo na divisão certa faz um vistão, mas nós já tínhamos tido uma experiência de colocação de papel de parede e não correu nada bem… não fiquei fã. Só que, desta vez, a cola já vinha feita e prometia ser um bom produto e, por isso, resolvi testar(-me) novamente (já que tanta gente o faz com sucesso).
Aceitei o desafio e lá fomos nós à Leroy Merlin escolher o papel, sem termos ainda o local de aplicação perfeitamente definido. É claro que nos perdemos na escolha do papel… entre padrões naturais, geométricos e texturas de todo o tipo, havia dezenas de opções lindas! Escolhemos três e dessas três ficámos, não com uma, mas com duas opções — um Bambu para o quarto de hóspedes e um rosa com ananases dourados para o quarto da Cá. Não tínhamos pensado remodelar esses espaços mas, perante estes dois papeis, perfeitos para ali, tínhamos que o fazer! (E ainda fiquei com o outro debaixo de olho, mas não quis abusar da sorte.)

Tínhamos combinado colocar os papeis de parede um destes dias, os dois, Carlota e Marcelo, em duo para garantir maior taxa de sucesso. 😀 Mas aqui a Carlota esperou, esperou, esperou e, como ele anda com muito trabalho, resolvi meter mãos à obra e fazê-lo sozinha. Oié!
Devo dizer-vos que correu muuuito melhor do que estava à espera e arrisco mesmo a dizer que correu divinamente!! Tão bem que, quando terminei o primeiro quarto apetecia-me avançar logo para o seguinte (e mais ainda fiquei a pensar na terceira opção que deixámos na loja).
Bom, prometi-vos no facebook que partilhava a minha experiência e tudo o que aprendi para que possam fazer tal e qual e ser bem sucedidos, por isso, sem mais demoras, cá vai:

Como colocar papel de parede – passo a passo.

  1. Decidir qual o espaço a decorar e escolher o papel de parede indicado – é importante escolher um estilo adequado ao ambiente (pois os efeitos visuais entre as muitas opções são bem distintos e resultam melhor ou pior consoante as características e a utilização de cada espaço. Por exemplo, cores muito vibrantes em espaços pequenos podem criar algum desconforto visual, papeis muito datados, trabalhados ou com uma temática forte podem cansar mais rapidamente num espaço que é muito utilizado diariamente; padrões muito intensos ocupando todas as paredes de uma divisão podem “sufocar” o espaço. Além disso, as diferenças entre os papéis de parede vão muito além dos padrões, cores e texturas. Estão também no tipo de material, que pode ser o tradicional papel de parede, TNT (tecido-não-tecido) ou vinílico. É importante escolher o papel indicado para a zona a aplicar.
  2. Definir a área onde aplicar e determinar a quantidade de papel necessária – Toda a parede, uma parede, meia parede, uma faixa ou teto são algumas opções – todas válidas! –, mas é absolutamente essencial medir a área (largura e altura) onde vamos aplicar o papel, antes de o adquirirmos, para garantir que não vai faltar produto a meio da aplicação, nem desperdiçar grandes quantidades. É sempre mais seguro comprar um pouco mais de papel para alguma eventualidade; para cada uma das nossas paredes (com pouco menos de nove metros quadrados) precisámos de dois rolos de 50cm com 10m de comprimento. 
  3. Reunir todas as ferramentas essenciais – fita métrica, régua, lápis, x-ato, tesoura, espátula, pano e rolo; o papel e a cola, claro! Na fotografia falta o pano, que fui buscar mais tarde, e não usei a espátula vermelha porque achei um pouco agressiva. Achei perfeita, isso sim, a espátula grande de metal (para cortar o papel depois de colocado na parede). Ah! Ainda precisarão de alicate, chaves de fendas ou estrela e betume, se tiverem que retirar pregos, tomadas ou fitas de estore ou tapar pequenos buracos, o que me leva ao ponto seguinte.
  4. Preparar a parede – antes da aplicação é importante verificar que a parede não tem irregularidades, buracos, texturas ou problemas de infiltração. A durabilidade do produto só é garantida numa parede em perfeitas condições, seca e limpa. Para facilitar o processo, aconselho vivamente a desmontar e retirar interruptores, tomadas, pregos e preguinhos e fitas de estore; Parece ser uma trabalheira mas revelar-se-á a melhor solução para bons acabamentos. Andar a recortar o papel à volta das coisas é que é uma loucura e dá mau resultado! Confiem em mim, é simples. E desliguem a corrente antes de mexer nas tomadas.
  5. Agora sim, aquela parte que todos adoram: ler as instruções dos produtos! – tanto a cola como o papel vêm com instruções, malta. E mesmo nós achando que já sabemos tudo – “porque a Carlota ensinou” – não invalida que se deite um olhinho às instruções. A cola que usei, a Metylan Ovalit, vem pronta a aplicar e podemos fazê-lo diretamente na parede. Uhuuu! Também se pode aplicar no papel de parede, se preferirem, mas, pessoalmente e pela minha experiência, eu acho que esta é a grande vantagem desta cola, um trabalho de aplicação mais fácil e limpo, diretamente na parede.
  6. Corte do papel – tendo a medida da altura da parede, é hora de cortar as tiras de papel. Podemos cortar logo todas as tiras, mas eu preferi ir cortando uma a uma, à medida que o trabalho avançava. Sobretudo se temos padrões que têm que bater certo, parece-me mais fácil ir cortando e acertando. Houve uma tira, por exemplo, em que me enganei no corte e tive que a subir muito para que o padrão ficasse certo. Fiquei sem papel em baixo e não serviu mais. Se tivesse cortado todas a partir dessa, julgo que teriam ficado todas mal. Se preferirem fazer desse modo, uma boa dica é numerá-las para saber a ordem certa de aplicação e garantir a continuidade do padrão; As tiras deverão ser cortadas por excesso, por forma a sobrar papel em cima e em baixo. Este excesso só é retirado depois de acertarmos bem o papel no local.
  7. Aplicar o papel de parede – Antes de mais há que definir por onde começar (isto tem influência no aspeto do trabalho, no acabamento, pois a primeira tira fica inteira mas é natural que a última fique mais estreita). Com o rolo, aplicar a cola numa primeira faixa vertical (ligeiramente mais larga que a largura do papel) e colocar logo de seguida o papel. A colocação da primeira tira é de extrema importância pois precisa de estar perfeitamente alinhada para orientar as próximas aplicações. Posto isto, é começar a adesão à parede pela parte superior da tira, junto ao teto, e alisá-la (sem agredir, com a mão ou um pano) do centro até as extremidades. Se repararmos que não está a ficar bem, podemos retirá-la com calma e voltar a colocar (desde que não deixemos a cola secar muito). Se optarem por aplicar a cola no papel, deverão colocar a faixa de papel sobre uma superfície lisa, com a estampa para baixo e aplicar uma demão de cola do centro para as extremidades. Neste caso, deverão deixar repousar alguns minutos antes de aplicar para que o papel absorva a cola (volto a dizer que acho isto mais difícil: temos que ter um espaço grande para estender a tira, temos que ir a toda a área do papel deixando que a cola ultrapasse os limites, temos que deixar repousar o tempo certo, nem de mais nem de menos, manusear o papel com cuidado, dobrando-o sobre ele próprio para não se agarrar a tudo e a todos,… mas muitos o fazem e muito bem…);
  8. Cortar o excesso do papel – Se há coisa que aprendi com esta atividade foi que o x-ato tem que estar impecavelmente afiado! Lâminas novas, aparadas sempre que se sinta algum desgaste. Cheguei a cortar a lâmina a cada duas utilizações! Lâminas em mau estado agarram o papel, puxam-no e fazem uma péssima linha de corte. Para cortar os excessos do papel (junto ao rodapé, ao teto, em cantos, etc.) eu coloquei a espátula bem firme a fixá-lo onde pretendia fazer o corte e segui sempre com o x-ato junto à lâmina da espátula. É uma boa técnica. 
  9. Eliminar bolhas de ar – Não me aconteceu. Ainda assim, com a ajuda do x-ato, podem efetuar um corte em X (tentar seguir alguma linha do padrão para esconder ao máximo o corte), aplicar cola no papel e colar alternadamente as quatro extremidades. Pequenas bolhas de ar acabam por desaparecer com a secagem do produto.
  10. Limpar excessos de cola – não se preocupem em ir com o rolo de cola até ao teto, ao rodapé ou um pouco por cima de outra tira. No final, com o pano ligeiramente humedecido podem limpar todos os excessos de cola, enquanto não seca.

E é isto! Acho que é tudo. Os quartos ficaram o máximo e percebi que uma só pessoa consegue colocar papel de parede sem dificuldade.
Aqui fica o “antes e depois” do quarto de hóspedes:

Aqui fica a nova imagem do quarto da Cá:

Se tiverem dúvidas, não hesitem em perguntar. Podem usar os comentários, aqui em baixo.
Se acham que este artigo é útil, coloquem um ♥zinho para nós sabermos.
Bom trabalho!…se for caso disso.

Carlota

1Comentário
  • Fatima Carvalho
    Publicado às 16:07h, 11 Agosto Responder

    Interessante! Ficou muito giro! Parabéns!

Publique um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.