Mesmo com o tanto que temos para fazer, mesmo com obras para gerir, com mudanças por terminar, contratos de fornecimento de água, luz, gás, comunicações, mesmo com o trabalho diário no atelier, as aulas, workshops e formações,… e os afazeres caseiros e a atenção à família e aos amigos,… mesmo que os dias não nos cheguem para tudo… uma coisa é essencial para a nossa tranquilidade e saúde mental: o ninho. E com ninho quero dizer uma casa minimamente organizada, limpa, cheirosa e bonita. Minimamente, se não der para mais.

Ora cá está o primeiro grande projeto de 2008!… ou melhor, 1/4 dele. Ou isso: um quarto. Depois de termos decidido trocar de quartos, pais e filha meteram mãos à obra no fim-de-semana do Carnaval e revolveram metade da casa. Sim, porque trocar de quartos é, na prática, trocar quatro divisões – dois quartos e dois closets. Móveis, roupas, livros, brinquedos,… tudo foi retirado do sítio, analisado (destralhado), reorganizado e tornado a arrumar. Inicialmente, o pai não estava muito a favor desta mudança nesta altura, e só foi possível convencê-lo garantindo que não seria preciso fazer pinturas agora (talvez lá mais para o verão…). Abdicámos desta tarefa e lá conseguimos arrastar o homem… a refilar um bocadinho mas, ainda assim, a fazer-nos a vontadinha! 😉