Uma das áreas que trabalhámos no projeto do hostel Impact House foi a iluminação dos quartos. Mais uma vez – e de acordo com o projeto – pretendíamos uma solução simples, criativa, amiga do ambiente e não muito dispendiosa.
Um dos problemas nos quartos de grupo, com beliches, é que dificilmente poderíamos usar candeeiros suspensos e grandes abajures, devido à altura da cama superior; plafons também não eram viáveis, nestes tetos trabalhados. E também precisávamos de cortar a frieza da dimensão dos quartos e de criar um ambiente confortável, por isso, focos também não era solução que nos agradasse.
Isto era o que lá estava, deixado pelos antigos moradores – uma série deles, todos do mesmo género:

Foi a primeira vez que fizemos uns gavetões assim. Ou melhor, foi a primeira vez que fizemos gavetões. 😀
Não fosse o projeto do hostel para o qual criámos alguns objetos e mobiliário por forma a responder às necessidades dos viajantes e, se calhar, nunca nos teríamos lembrado de umas peças como estas… tão giras e tão práticas! Excelentes para quem tem pouco espaço e precisa de uma solução de organização aproveitando o espaço debaixo da cama.  No quarto de hóspedes e no quarto da Cá temos camas com gavetões, mas devo dizer que estes que fizemos, com tampa, são bem melhores pois, aqui, ao contrário das gavetas da cama, o pó não entra.

Há tempos partilhámos esta imagem no Facebook e no Instagram. São umas simples prateleiras, mas fizeram muito sucesso!… talvez por se assemelharem a caixotes, por serem simples, de linhas direitas, por serem de um material diferente, em OSB… não sei, mas o que é certo é que nos fizeram algumas perguntas sobre elas e eu vou tentar responder aqui.
Estas prateleiras fazem parte da área de book sharing do Hostel ImpactHouse e, por isso, foram desenhadas para sustentar livros e à medida de uma pequena parede entre duas janelas.

Destas ideias é que eu gosto: aproveitar o que já temos e dar-lhe ares de que acabou de ser adquirido numa loja gira! Depois de tudo o que destralhámos nos últimos tempos, adquiri o hábito de pensar primeiro numa solução de reaproveitamento antes de adquirir algo novo, desnecessariamente, cá para casa. Foi o que aconteceu com a jarra de vidro que hoje partilho aqui. Depois de ver esta garrafa da Zara Home – tão gira! – numas fotografias do catálogo, achei que podia facilmente fazer algo parecido, numa jarra um pouco sem graça, com as sobras da napa que utilizei para fazer esta prateleira suspensa.
E como, esta semana, deitaram abaixo uma árvore aqui da rua, e eu lá fui (claro, não me contive!) recolher um ramo para colocar na “nova” jarra, cheguei à conclusão que era dever cívico partilhar tanta beleza que juntos deram à nossa sala.