Ando há meses para tratar das nossas plantas em vaso…
De tanto aguardar estão em sofrimento, coitadinhas. E olhem que, para catos e suculentas chegarem ao ponto as que as nossas chegaram, é preciso muita displicência e desleixo!
Ontem, a meio do dia de trabalho, já cansada dos desenhos e do computador, olhei em volta e cheguei à conclusão que faltava vida na minha sala.
Rapidamente, fui à varanda e retirei deste vaso umas suculentas sofridas.

Outra artista que adoramos… a Maria Rita, escultora.
Das suas Lolitas aos livros tridimensionais, tudo o que sai das suas mãos é mágico, romântico e lindo!
Sim, temos uma Lolita cá em casa… que amamos!
E como nenhuma prateleira era suficientemente segura para tanta delicadeza, pintámos esta caixa de branco e cinza para a expôr e, ao mesmo tempo, resguardar. O branco, está de acordo com a pureza e simplicidade da obra. O cinzento, também neutro, permite-lhe destacar-se do fundo.
Só umas mãozinhas têm permissão para limpar o pó aqui… as minhas! E nunca o faço a meio de uma faxina, quando estou com o ritmo louco das limpezas. Para ela, há sempre o momento de “ora, vamos cá limpar esta beleza com mãozinhas de fada… e só esta”.

Mais uma planta que podemos apanhar perto de casa. Tem uma cor linda, não tem?
Descobri que se chama soagem ou chupa-mel e que pode causar irritação em peles mais sensíveis quando manuseada. Por acaso, desconfiei quando a vi — fez-me lembrar uma urtiga, pois tem o caule peludo — e usei luvas e tesoura  (como faço sempre com estas invasivas, das quais desconheço a toxicidade).
Também não faço questão de chegar o nariz a qualquer flor e cheirar… não me parece aconselhável.
Esta, portou-se muito bem cá em casa. Ficou linda, num vaso de vidro transparente!

E o que fazem umas unhas cor-de-rosa com um berbequim, uma serra elétrica (!), uma madeira velha e uns quantos ferranchos, sem Eme por perto?! Sugestões?
Ui! Perigo!
Fica o teaser